Categoria - Facebook

Um jovem Frederick Engels testemunhou a condição da classe trabalhadora em Inglaterra…

Um jovem Frederick Engels testemunhou a condição da classe trabalhadora em Inglaterra, nos tempos áureos da revolução industrial: “As grandes cidades são habitadas essencialmente por trabalhadores, dado que na melhor das hipóteses há um burguês para dois trabalhadores, frequentemente para três, aqui e ali para quatro; estes trabalhadores não têm qualquer propriedade e dependem exclusivamente dos seus salários, que geralmente vão da mão para a boca. A sociedade, integralmente composta por átomos, não se preocupa com eles; deixa-os tomar conta de si próprios e das suas famílias, mas não lhes fornece os meios para fazer isso de uma forma eficiente e permanente. Qualquer trabalhador, mesmo o melhor, está portanto constantemente exposto à perda de trabalho e de comida, ou seja, a morrer à fome, e muitos morrem desta forma. Os alojamentos dos trabalhadores são em todos os locais mal planeados, mal construídos e mantidos nas piores condições, mal ventilados, húmidos e doentios. Os habitantes estão confinados ao espaço mais ínfimo, e geralmente pelo menos uma família dorme em cada quarto. O interior das habitações reflete diversos graus de pobreza, até à completa ausência do mobiliário mais básico. Da mesma forma, a roupa dos trabalhadores é geralmente parca e frequentemente encontra-se em farrapos. A comida é geralmente má; frequentemente não está em condições próprias para consumo e muitas vezes, ou pelo menos de vez em quando, é insuficiente em quantidade, de tal forma que nos casos mais extremos leva à morte pela fome. Assim, a classe trabalhadora das grandes cidades oferece uma escala gradual de condições de vida, na melhor das hipóteses uma existência feita tolerável pelo trabalho árduo e os bons salários, bom e tolerável, isto é, do ponto de vista dos trabalhadores; nos casos piores, a carência extrema, chegando mesmo à situação de sem abrigo e morte à fome. A média está muito mais perto do caso pior do que do melhor”.

Source

As telenovelas, expressão máxima da cultura de massas, não têm que ser básicas e…


As telenovelas, expressão máxima da cultura de massas, não têm que ser básicas e estupidificantes, desprovidas de conteúdo e profundidade. Nesta cena da novela brasileira «O Clone», Osmar Prado encarna de forma brilhante o Poema em Linha Reta, de Fernando Pessoa.

Osmar Prado recitando “Poema em linha reta” (Fernando Pessoa), em cena de O Clone (2002)

Source

Loading...