Guia de viagem pelo mundo dos livros

Coração das Trevas

Entre 1885 e 1908, o rei Leopoldo II da Bélgica controlou, a título privado, o denominado Estado Independente do Congo, uma situação sancionada internacionalmente graças a uma aparente filantropia. A suposta missão civilizadora e humanitária do rei encobria a exploração das matérias primas do território e as atrocidades cometidas sobre as populações indígenas, sujeitas a um regime cruel de trabalho forçado. Quando as cotas de borracha não eram atingidas, os trabalhadores nativos sofriam uma punição terrível: eram executados e as suas mãos cortadas como prova da sua morte, ou em alternativa decepavam as mãos das suas esposas e filhos, de tal forma que a recolha de mãos se terá transformado num fim em si próprio, justificando todos os excessos e barbaridades. Cerca de metade da população terá perecido durante este terrível período.

Joseph Conrad trabalhou naquele território enquanto capitão de um barco a vapor que navegava o rio Congo, onde assistiu em primeira mão a esta crueldade desmedida. A sua censura desta situação repugnante surgiu na forma de uma das obras maiores da literatura, «Coração das Trevas», uma pequena grande narrativa, escrita de forma sublime. A história companha a viagem do narrador, Marlow, capitão de um barco que sobe o rio em direção a uma estação de recolha de borracha. Ali reside uma figura carismática, Kurtz, um respeitado e bem-sucedido agente que reúne mais borracha do que os seus congéneres. Esta personagem idealizada de quem toda a gente fala com admiração acaba por fascinar Marlow, que aguarda com expectativa pelo seu encontro com um homem supostamente culto e civilizado que labora nos confins da selvajaria, mantendo a sua integridade e sanidade mental intactas. No entanto, quando finalmente o encontra, depara-se com a personificação de toda a violenta maldade contida no imperialismo elevado ao seu expoente máximo. «O horror, o horror».

NOTA: o extraordinário filme «Apocalipse Now» é inspirado no «Coração das Trevas», transpondo a ação para o contexto da Guerra do Vietname.

“You remember I told you I had been struck at the distance by certain attempts at ornamentation, rather remarkable in the ruinous aspect of the place. Now I had suddenly a nearer view, and its first result was to make me throw my head back as if before a blow. Then I went carefully from post to post with my glass, and I saw my mistake. These round knobs were not ornamental but symbolic; they were expressive and puzzling, striking and disturbing – food for thought and also for the vultures if there had been any looking down from the sky; but at all events for such ants as were industrious enough to ascend the pole”.

Título: Coração das Trevas

Autor: Joseph Conrad

Editora: Wordsworth

Ano: 1999

Edição portuguesa: Editorial Estampa

coração trevas

Se isto é um homem

Não será um exagero considerar «Se isto é um homem» um dos melhores livros jamais escritos. É um relato dolorosamente lúcido do holocausto que permite descortinar a essência do carácter humano, frequentemente oculto por uma máscara de convenções sociais. Em Auschwitz, Primo Levi deparou-se com homens de várias proveniências, classes sociais, profissões, países e línguas. Desprovidos de qualquer direito ou bem pessoal, descaracterizados e humilhados, sujeitos a condições infra-humanas que os colocavam no limite da sobrevivência, reduzidos a uma rotina de sofrimento constante. É uma situação extrema, quase laboratorial, em que o homem sem nome nem direitos assume o papel do rato de laboratório. Porque na realidade já não é uma pessoa, é um objeto descartável que não deixa rasto na memória de ninguém.

Ali se revela o que é inato e adquirido, o que é essencial e supérfluo. Ali se vislumbram as caraterísticas essenciais que distinguem quem sucumbe de quem sobrevive. Ali se compreende que ninguém pode verdadeiramente sobreviver àquele trágico acontecimento enquanto ser humano de pleno direito. A sua humanidade ficou para sempre maculada.

“As personagens destas páginas não são homens. A sua humanidade está sepultada, ou eles mesmos a sepultaram, debaixo da ofensa que sofreram ou que infligiram a outrem. Os SS maus e estúpidos, os kapos, os políticos, os criminosos, os proeminentes grandes e pequenos, até aos halftlinge indiferenciados e escravos, todos os degraus da insana hierarquia criada pelos Alemães, estão paradoxalmente unidos numa única desolação interior”.

Título: Se isto é um homem

Autor: Primo Levi

Editora: Editorial Teorema

homem

Pensa num número

Um inspetor reformado regressa relutantemente ao trabalho a pedido de um antigo colega de faculdade que está perturbado com as mensagens ameaçadoras que tem recebido de um desconhecido, que parece adivinhar os seus pensamentos. Diz-lhe que pense num número e consegue adivinhá-lo de forma inexplicável, dando a entender que conhece os seus pensamentos mais profundos, mesmo os inconscientes. Este é apenas o primeiro de vários enigmas sem explicação aparente que deixam a polícia desconcertada na caça a um genial assassino que parece estar sempre um passo à frente dos seus perseguidores.

Os apreciadores de um bom policial tradicional não vão ficar desiludidos com «Pensa num número», onde encontram uma história bem escrita que encaixa perfeitamente no paradigma deste tipo de literatura. Aqui não falta o incontornável serial killer maquiavélico, que como não poderia deixar de ser se confronta com o inevitável inspetor desiludido em busca de redenção, dando origem a um imaginativo jogo do gato e do rato que só se resolve no apoteótico momento final, após longas páginas de um suspense aflitivo.

“Se alguém te pedisse que pensasses num número, eu sei em que número pensarias. Não acreditas? Vou provar-to. Pensa num número qualquer até mil, o primeiro número que te vier à cabeça. Imagina-o. Repara agora como eu conheço bem os teus segredos. Abre o pequeno envelope”.

Título: Pensa num número

Autor: John Verdon

Editora: Porto Editora

Ano: 2014

número

O último espião

«O último espião» relata o assassinato de Alexander Litvinenko, ex-agente do KGB envenenado em 2006 com um agente radioativo introduzido numa bebida, num espaço público em Londres. A forma cruel como o crime foi cometido é chocante, já que implicou a utilização de uma substancia que condenou a vítima a um longo sofrimento, para além de ter representado um risco para qualquer pessoa que tenha entrado em contacto com o isótopo radioativo, desde os assassinos até aos passageiros que terão viajado com eles no mesmo avião ou que frequentaram o prestigiado hotel em que se deu o envenenamento. Outro aspeto surpreendente deste crime é a audácia de o levar a cabo num país estrangeiro, à vista de todos, com risco para os próprios cidadãos desse país.

Os supostos mentores do crime, apontados pelo autor, aquartelam-se no governo russo. São os «siloviki», ex-agentes dos «Ministérios da força», agências de informação e espionagem da antiga União Soviética e atual Rússia, nos quais o próprio Vladimir Putin se inclui. São homens que fizeram carreira em instituições totalitárias dentro de um regime totalitário, num totalitarismo ao quadrado difícil de compreender no contexto democrático. Movem-se num mundo aparte, com regras próprias e hierarquias bem definidas, ainda que nem sempre formalmente estabelecidas. A honra, a lealdade, o silêncio, a disciplina e a obediência, são os valores primordiais que os guiam. A traição não é tolerada e a punição é garantida.

“Mas a questão mais complicada era se a era de Putin, com as suas raízes no KGB, teria produzido uma cultura na Rússia que tornava estas mortes não só plausíveis como prováveis”.

Título: O último espião

Autor: Alan Cowell

Editora: Dom Quixote

Ano: 2010

espião 2

A princesa de gelo

Camilla Lackberg inclui-se no extenso manancial de escritores de policiais escandinavos, um género que deve muito da sua popularidade à célebre trilogia de Stieg Larson. Distante do ambiente cosmopolita e tecnológico de «Millennium», a ação dos seus livros decorre numa pitoresca cidadezinha costeira com pouco mais de 800 habitantes, Fjällbacka, uma pequena localidade turística onde todos se conhecem e tudo se sabe, para o bem e para o mal. Este bucólico mas ligeiramente claustrofóbico cenário ganha vida própria e constitui ele próprio uma personagem fundamental desta série que conta já com 8 títulos. Cada livro relata um ou vários crimes relacionados entre si que são investigados por um detetive da esquadra local com a colaboração informal da sua parceira, uma escritora de sucesso. Apesar das histórias criminais serem independentes, convém ler os livros por ordem, dado que as personagens principais se mantém e a sua vida pessoal vai sofrendo alterações significativas.

«A princesa de gelo» inaugura a série com a escritora Erica Falk a regressar à sua terra natal, onde irá investigar a misteriosa morte de uma amiga dos seus tempos de infância, um aparente suicídio que se revela algo mais. No decurso das suas pesquisas reencontra outro rosto do passado, Patrik Hedstrom, detetive responsável pelo caso. Os dois unem esforços e descobrem afinidades que antes haviam passado despercebidas.

“Olhou para as mãos. Como odiava as suas mãos. Transportavam a beleza, mas também a morte – uma dualidade incompatível com a qual aprendera a viver”.

Título: A princesa de gelo

Autor: Camilla Lackberg

Editora: Dom Quixote

Ano: 2011

gelo

O código dos Wooster

G. Wodehouse é um mestre do humor britânico. Refinado e profundamente inteligente, uma das suas mais carismáticas personagens é o mordomo Jeeves, “a gentleman’s personal gentleman”, que figura em mais de 40 novelas e contos publicados entre 1915 e 1974. Fleumático e perspicaz, resolve discretamente todas as embrulhadas criadas pelo seu amo Bertie Wooster, um cavalheiro inglês pouco arguto e com uma assinalável propensão para o desastre.

«O código dos Wooster» é a terceira novela em que figuram estas singulares personagens. Numa mansão senhorial inglesa reúne um grupo de figuras inesquecíveis que se envolvem em intrincadas peripécias pelos motivos mais inacreditáveis. Uma tia autoritária disposta a tudo para recuperar uma nateira em forma de vaca, um amigo disparatado que cria salamandras na banheira e corre o risco de perder a sua noiva, uma jovem inconsequente e estouvada que quer à força casar com o pároco. Cada trama se enreda nas restantes, resultando numa embrulhada deliciosa de equívocos.

«- Se não arranjas uma saída, parece-me que isto será o fim. É claro que ainda não tiveste tempo de assimilar bem o assunto. Enquanto janto, analisa-o mais uma vez de todos os ângulos. É possível que tenhas uma inspiração. As inspirações surgem de repente e quando menos se espera, não surgem? De jato, quero dizer.

– Sim, senhor. Dizem que o matemático Arquimedes descobriu o princípio da impulsão, certa manhã, quando estava no banho.

– Pois aí tens. E não me parece que ele fosse qualquer coisa de especial comparado contigo.

– Era um homem excecional, creio. Tem-se lamentado imenso que ele haja sido assassinado posteriormente por um soldado.

– Que pena. Mas, enfim, a carne é pó… não é assim que se diz?

– Sim senhor.»

Título: O código dos Wooster

Autor: P. G. Wodehouse

Editora: Livros da Raposa

Ano: 2007

Wooster

A feira das vaidades

«A feira das vaidades» é uma obra-prima da literatura vitoriana cuja ação decorre no contexto das guerras napoleónicas. Acompanha o percurso de duas mulheres aparentemente antagónicas, tanto ao nível do carácter como da posição social, que pela força das circunstâncias se associam numa amizade improvável e conturbada. Uma é aflitivamente ingénua, crédula e passiva, a outra arrivista, inteligente e determinada. Os atributos de cada uma são de tal maneira profundos e contraditórios que é fácil incluí-las entre as mais significativas personagens femininas de toda a literatura. Não serão, contudo, heroínas tradicionais, na medida em que estão longe da perfeição. Thackeray atribui-lhes a sua perceção desencantada da humanidade, com as suas vaidades, egoísmos e superficialidades.

São personagens ambíguas. Na sua busca pela felicidade fazem sofrer, consciente ou inadvertidamente, aqueles que delas se aproximam, por afeição ou interesse. E elas sofrem também, e com o sofrimento crescem, num processo de amadurecimento tão real que poderia ser o nosso.

“And in determining to make everybody else happy, she found herself so”.

Título: Feira das vaidades

Autor: William Makepeace Thackeray

Editora: Penguin

Ano: 1987

Edição portuguesa: Publicações Europa-América

vaidades

As aranhas douradas

Rex Stout é uma referência fundamental da literatura policial. Foi nomeado o melhor escritor de mistério do século XX e o seu mítico detetive Nero Wolfe recebeu o título de melhor série de mistério pela Boucheron 2000, a maior convenção mundial do género.

«As aranhas douradas», publicado em 1934, acompanha o caso do rapto de uma mulher que usava brincos em forma de aranha. É um dos primeiros títulos de mais de 70 obras em que figura este obeso e peculiar detetive, que investiga sem sair de sua casa, onde se dedica ao seu viveiro de orquídeas e às refinadas iguarias cozinhadas por Fritz, o seu talentoso chef suíço. É um homem de gostos requintados que evita a todo o custo sair da sua zona de conforto. Dali coordena a investigação e convoca os intervenientes para interrogatórios implacáveis, os quais mesmo contrariados não deixam de comparecer ao encontro com o conceituado e persistente anfitrião, que nunca abdica dos seus intentos. O trabalho braçal é delegado no hábil e leal assistente Archie Goodwin, que assume o papel de narrador e nos fornece relatos espirituosos e irónicos de cada investigação. São pequenos livros viciantes que apetece ler compulsivamente.

“Sabe, Mrs. Horan, eu estive no gabinete durante todo o tempo em que Mrs. Fromm e Mr. Wolfe conversaram um com o outro e recordo-me de todas as palavras que disseram. Foi por isso que pensei que a senhora talvez tivesse muita curiosidade a esse respeito, e não me surpreende que assim seja. O problema está em que não posso satisfazer a sua curiosidade gratuitamente. Devia ter-lhe explicado que não estou aqui em representação de Nero Wolfe, e foi por esse motivo que disse que a conversa é particular. Estou a representar-me a mim mesmo. Satisfarei a sua curiosidade se me emprestar cinco mil dólares, a serem pagos no dia em que chover de baixo para cima, em vez de cima para baixo”.

Título: As aranhas douradas

Autor: Rex Stout

Editora: Visão

Ano: 2000

douradas

O Terceiro Homem

«O terceiro homem» é uma obra que tem uma génese curiosa. Graham Greene escreveu esta novela com o propósito de a utilizar como base para o argumento de um filme que se veio a tornar uma referência da história do cinema. Dirigido por Carol Reed e com Orson Wells num dos principais papeis, esta obra-prima do filme negro foi recentemente restaurada e vai regressar este mês às salas de cinema.

Retrata o universo do mercado negro na Viena dividida e arruinada do pós Segunda Guerra Mundial, onde um escritor falhado e ingénuo vai reencontrar um amigo de infância, personagem implacável na prossecução dos seus fins, que não se detém perante dilemas morais ou afetivos. A genialidade da história reside na forma como esta personagem se adivinha sem se ver e consegue marcar presença sem estar fisicamente presente. É apresentada enquanto um pressentimento constante que dirige todo o enredo, como um maestro invisível. É ela quem determina o curso da narrativa, é à sua volta que as restantes personagens se movem, é por sua causa que se encontram e desencontram. Numa das cenas mais memoráveis de sempre acaba por finalmente fazer a sua aparição e desvendar a verdade do seu caráter, numa apoteose magnificamente conseguida. É do melhor que se pode encontrar no cinema e na literatura.

“Pela primeira vez, Rollo Martins relembrou o passado sem saudades nem admiração, dizendo de si para consigo: «Ele nunca chegou a ser completamente adulto». Os demónios de Marlow usavam petardos amarrados à cauda; o mal é como Peter Pan – possui o horripilante privilégio da juventude eterna”.

Título: O Terceiro Homem

Autor: Graham Greene

Editora: Livros do Brasil

terceiro homem

A sangue frio

«A sangue frio» relata um crime verídico ocorrido no final da década de 50 nos EUA: um casal e os seus filhos, pessoas respeitadas na comunidade, foram brutalmente assassinados na sua casa durante um assalto. Truman Capote investigou o caso em profundidade com base em observação direta, relatos oficiais e entrevistas a residentes, investigadores e aos próprios criminosos. Para além de descrever pormenorizadamente as personagens envolvidas e o contexto em que se desenrolou o crime, Capote desvenda as complexas motivações psicológicas subjacentes a um ato totalmente desnecessário e desproporcionado, cometido por uma dupla de assaltantes que, embora tivessem já um passado de criminalidade, nunca haviam praticado um ato de tal violência.

Apesar de persistir alguma polémica quanto à veracidade de alguns elementos do livro, não deixa de ser um trabalho de reportagem muito interessante que revela uma intensa pesquisa e explora eficazmente as personalidades dos criminosos, um dos quais vem a revelar uma sensibilidade surpreendente e aparentemente incompatível com a brutalidade dos seus atos.

“- Sabes o que estou a pensar? – disse Perry. – Acho que devemos ter qualquer anormalidade, nós os dois, para fazermos aquilo que fizemos.

– O que queres dizer?

– O que fizemos lá…”

sangue frio

Título: A sangue frio

Autor: Truman Capote

Editora: Círculo de Leitores

Loading...